Qual o tratamento farmacológico da insônia no idoso?

| 15 setembro 2015 | ID: sofs-21747
Solicitante:
CIAP2:
DeCS/MeSH: , ,
Graus da Evidência:

Se não houver resposta as medidas não farmacológicas para manejo do paciente portador de insônia primária pode-se recorrer ao uso de medicamentos. O tratamento farmacológico da insônia deve melhorar a quantidade e qualidade do sono, melhorar a concentração durante o dia e causar mínimos efeitos adversos1. As medicações mais comumente utilizadas são não-benzodiazepínicos agonista dos receptores benzodiazepínicos, benzodiazepínicos, antidepressivos, anti-histamínicos, antipsicóticos e fitoterápicos. Contudo , as evidências sobre a eficácia e tolerabilidade dessas medicações variam e devem ser avaliadas no momento da prescrição sobretudo na população idosa

Os novos medicamentos não-benzodiazepínicos agonista receptor benzodiazepínico (Zolpidem, Zaleplon e Zopiclona) são seguros para uso a longo prazo e são preferidos aos benzodiazepínicos tradicionais pois tem baixo risco de efeitos adversos, pouca sedação residual no dia seguinte e baixo potencial de dependência.

Benzodiazepínicos são raramente recomendados para o tratamento da insônia2. Esta classe de medicação tem como efeitos colaterais: sedação residual durante o dia, comprometimento da memória sobretudo em idosos, quedas (frequentes em idosos), depressão da ventilação, insônia rebote na descontinuação da medicação, abuso da medicação, desenvolvimento de tolerância e dependência. Os anti-histamínicos sedativos e antidepressivos são as vezes utilizados para tratar insônia; entretanto falta evidência da eficácia destas medicações no tratamento da insônia primária2.


Estudos experimentais mostram eficácia do extrato de camomila, kava kava, passiflora e valeriana na insônia, contudo faltam estudos robustos comprovando o benefício1,4.
Em idosos alguns princípios básicos norteiam a farmacoterapia racional da insônia3:

• Na insônia de curta-duração, deve-se prescrever medicações por curto período de tempo, isto é, uso regular por não mais do que três a quatro semanas;
• Deve-se prescrever, sempre que possível, um único fármaco para reduzir os custos e o risco de interação medicamentosa e na menor dose efetiva;
• Em idosos, deve-se iniciar o tratamento com doses menores do que as utilizadas habitualmente em adultos jovens e evitar medicações com meia vida longa;
• Deve-se descontinuar a medicação de forma gradual;
• Deve-se utilizar, sempre que possível, agentes com meia-vida de eliminação mais curta(para diminuir a sedação diurna).

Principalmente na população idosa é importante atenção a polifarmácia, pelo risco de interação medicamentosa, toxicidade e reações adversas. É frequente o idoso ter várias receitas médicas de diferentes profissionais e ainda fazer uso de automedicação. O médico de família como coordenador do cuidado deve, no acompanhamento longitudinal, identificar as medicações em uso pelo idoso e quando possível realizar suspenção ou redução de dose de medicamentos.

A atividade física melhora o sono tão efetivamente quanto benzodiazepínicos em alguns estudos, além de trazer outros benefícios para saúde. A atividade física regular, terapia cognitivo comportamental e terapia de relaxamento são tratamentos não farmacológico efetivos no manejo da insônia1 (grau de evidência A).

SOF relacionadas:

  1. Quais abordagens não medicamentosas são eficazes no tratamento da insônia?
  2. Quais plantas medicinais e fitoterápicos podem ser utilizados de forma segura e eficaz para distúrbios do sono?

Bibliografia Selecionada:

  1. Ramakrishnan K, Scheid DC. Treatment Options for Insomnia. Am Fam Physician. 2007; 76:517-26,527-8.
  2. British Medical Journal: Best Practice. Insônia. [Acesso em 20 de julho de 2015]. Disponível em: http://bestpractice.bmj.com/best-practice/monograph/227/treatment/evidence/question/2302/1.html
  3. Berlim MT, Lobato MI, Manfro GG. Diretrizes e algoritmo para o manejo da insônia. Psicofármacos: Consulta Rápida; Porto Alegre, Artmed, 2005. p.385.
  4. Associação Brasileira do Sono. Insônia: do diagnóstico ao tratamento: III Consenso brasileiro de Insônia. 2013; [coordenação geral] Andrea Bacelar, Luciano Ribeiro Pinto Jr.1. ed. São Paulo: Omnifarma, 2013. p.115-116.