(SOF Arquivada) Qual a indicação vacinal para uma gestante com último reforço de dT há mais de 5 anos e que ainda não chegou na idade gestacional (27 a 36 semanas) para fazer uso da dTpa?

| 22 agosto 2016 | ID: sofs-35401
Solicitante:
CIAP2:
DeCS/MeSH: , , , ,
Graus da Evidência:

SOF Atualizada: https://aps-repo.bvs.br/aps/qual-a-indicacao-vacinal-para-uma-gestante-com-ultimo-reforco-de-dt-ha-mais-de-5-anos-e-que-ainda-nao-chegou-na-idade-gestacional-20-a-36-semanas-para-fazer-uso-da-dtpa/

Para as gestantes já vacinadas com três doses de dT (vacina dupla adulto difteria e tétano) e com dose de reforço há mais de cinco anos, a Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações recomenda a administração de uma dose da dTpa (vacina Tríplice Bacteriana Acelular do Adulto) entre a 27ª e 36ª semana de gestação. Esta dose de dTpa deve ser considerada como reforço (1).
Complementação: A vacina adsorvida de difteria, tétano e coqueluche (pertussis acelular) – dTpa – foi introduzida em 2014 no Calendário Nacional de Vacinação da gestante como reforço ou complementação do esquema da vacina dupla adulta (difteria e tétano) – dT. Tem como objetivo diminuir a incidência e mortalidade por coqueluche nos recém-nascidos, visto que a doença é cada vez mais relatada em crianças, adolescentes e adultos, sendo estes últimos a fonte de transmissão mais frequente para as crianças. Esta vacina oferece proteção vacinal indireta nos primeiros meses de vida (passagem de anticorpos maternos por via transplacentária para o feto) quando a criança ainda não teve a oportunidade de completar o esquema vacinal (1).
Uma dose da vacina dTpa deve ser administrada a cada gestação, considerando que os anticorpos têm curta duração, e portanto, a vacinação durante uma gravidez não manterá alto nível de anticorpos protetores em gestações subsequentes. Esta vacina deverá ser registrada na caderneta saúde da gestante e ou cartão do pré-natal ou cartão de vacinação do adulto (1).
A depender da situação vacinal encontrada, deve-se administrar uma dose da vacina dTpa para iniciar o esquema vacinal, completar um esquema iniciado com a dT, ou como dose de reforço. Lembrando que o esquema deve ser completado até 20 dias antes da data provável do parto (1).
Para gestantes habitantes em áreas de difícil acesso, deve-se administrar a vacina dTpa já a partir da vigésima (20ª) semana de gestação, a fim de não perder a oportunidade de vaciná-las (1).


Atributos APS
A assistência pré-natal adequada (componente pré-natal), com a detecção e a intervenção precoce das situações de risco, bem como um sistema ágil de referência hospitalar (sistema de regulação – “Vaga sempre para gestantes e bebês”, regulação dos leitos obstétricos, plano de vinculação da gestante à maternidade), além da qualificação da assistência ao parto (componente de parto e nascimento – humanização, direito à acompanhante de livre escolha da gestante, ambiência, boas práticas, acolhimento com classificação de risco – ACCR), são os grandes determinantes dos indicadores de saúde relacionados à mãe e ao bebê que têm o potencial de diminuir as principais causas de mortalidade materna e neonatal. (2)

SOF relacionadas:

  1. Qual a conduta quando a vacina tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba) é administrada durante a gestação?
  2. Como deve ser o esquema de imunizações em puérperas?
  3. Quais vacinas podem ou devem ser administradas na gestação? Quais são os aprazamentos e as situações especiais?

Bibliografia Selecionada:

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações. Informe Técnico para Implantação da Vacina Adsorvida Difteria, Tétano e Coqueluche (Pertussis Acelular) Tipo adulto – dTpa. 2014. Disponível em:http://www.crmpr.org.br/uploadAddress/info_dtpa_ministerio-saude-setembro-2014[1614].pdf
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco [recurso eletrônico] – 1. ed. rev. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_32.pdf
  3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação  – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_vacinacao.pdf